O Paradoxo Cloverfield: a propaganda enganosa de Abrams

Brody-Cloverfield-Paradox
Gugu Mbatha-Raw é uma cientista em O Paradoxo Cloverfield

Nem sempre a genialidade de uma propaganda sustenta a ineficiência do produto. De maneira inesperada, durante o intervalo do Super Bowl, a valiosa final da liga de futebol americano que foi disputada entre Patriots e Eagles, ficamos sabendo que o Netflix disponibilizaria em seu serviço de streaming mais uma parte da franquia Cloverfield. Foi assim que estreou O Paradoxo Cloverfield, sem alarde, num truque perfeito de J.J. Abrams, o produtor e criador do projeto. Os fãs enlouqueceram porque também foram surpreendidos por essa estreia repentina fora dos cinemas.

Muita gente correu para o Netflix depois do jogo. E muita gente se decepcionou com o que viu, mesmo os seguidores mais fieis. Não só porque o filme é muito ruim, mas porque deixou a impressão de que fomos enganados por J.J. Abrams.

+ Rua Cloverfield, 10: o jogo criado por J.J. Abrams

Será que O Paradoxo Cloverfield não foi lançado direto no Netflix porque a Paramount, a produtora do filme, sentiu que tinha uma bomba nas mãos? Por que mais uma vez, assim como havia ocorrido com Rua Cloverfield, 10, pegaram um roteiro que não havia sido criado para a série e fizeram uma transformação meia-boca para o universo Cloverfield?

Enquanto os fãs tentam ligar os pontos de uma trilogia até aqui confusa, J.J. Abrams tem dificuldade de se explicar para sua apaixonada audiência. Em um bate-papo no Facebook, ele admitiu que O Paradoxo Cloverfield não nasceu como Cloverfield e que foi necessário fazer ajustes na trama original para inseri-lo na franquia. Contei aqui em A Cruz e a Empada como o filme anterior, Rua Cloverfield, 10, também passou por uma remodelagem no meio do caminho. A primeira parte, Cloverfield, mostrava Nova York sob o ataque de monstros, como se estivéssemos vendo um vídeo caseiro registrado por uma das vítimas. Depois, na sequência que não é bem uma sequência, assistimos ao calvário de uma mulher presa no bunker de um ex-militar.

the-cloverfield-paradox-2
Cena de O Paradoxo Cloverfield: dimensões misturadas

Agora, em O Paradoxo Cloverfield, acompanhamos um grupo de cientistas de vários países que estão em órbita buscando uma nova fonte de energia em experiências com um acelerador de partículas. Enquanto isso, na Terra, moradores sofrem com blecautes e ataques inesperados. Acho que a tentativa foi de se aproximar do universo e da estética de Alien, com uma toque de Cronenberg, mas em vários trechos tive a impressão de estar diante de uma paródia de uma ficção científica, caindo em um humor involuntário e patético. A questão central é a seguinte: em suas experiências, os cientistas misturaram tempo e espaço, criando uma realidade alternativa e possibilitando o ressurgimento de monstros de outras épocas e criaturas estranhas. Isso explicaria a bagunça cronológica da trilogia.

Como ligar os pontos?

Bom, parece que o primeiro filme, Cloverfield, se passa de fato em 2008, no ano em que foi lançado, e o segundo, Rua Cloverfield, 10, está adiante no tempo, cerca de oito anos depois. Acontece que descobrimos em O Paradoxo que essas dimensões se sobrepõem.

Abrams aproveita isso para injetar easter eggs e forçar conexões, como o uso do sobrenome Humbler, que se refere tanto ao ex-militar que mantém o bunker e quanto ao escritor que denuncia o perigo de mexer com o acelerador de partículas; a aparição de um monstro na cena final de O Paradoxo que se assemelha ao que surge no primeiro filme…

Mas, deixando isso de lado, o fato é que, diferentemente dos dois primeiros filmes, O Paradoxo Cloverfield é um embuste sem vida própria.

2 comentários sobre “O Paradoxo Cloverfield: a propaganda enganosa de Abrams

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s