Greta Van Fleet mostra paz, amor e um rockão da porra no Audio em SP

Greta Van Fleet
Greta Van Fleet no Lollapalooza no Chile 

Sei que muita gente torce o nariz para o Greta Van Fleet ao definir o som dos garotos de 20 e poucos anos como uma cópia descarada do Led Zeppelin. Convido essa turma para ver um show da banda, em vez de ficar atirando pedra sem conhecer direito o alvo.

Falo isso porque fui ver a apresentação que eles fizeram na última segunda (8), no Audio Club, em São Paulo, e cheguei à conclusão de que a acusação é injusta. Primeiro porque eles não têm a menor pretensão de ser o Led Zeppelin e, além disso, se formos usar esse critério de roubar-o-som-do-outro, não vai sobrar muita gente.

Fora essa polêmica tola, o importante é que o show dessa banda que veio da pequena cidade de Frankenmuth, no Michigan, tem uma vibe boa demais! Eles estão ali para se divertir e não parecem nem um pouco preocupados com rótulos. Brincam no palco, berram, fazem dancinhas estranhas, distribuem flores para a plateia.

+ O estranho rock do Leprous

É uma bobagem colocar o peso de que a salvação do rock está em bandas como o Greta. Como disse, eles não parecem preocupados com isso — nem acho que o rock precise de um salvador. Assim como o The Black Crowes ou o mais recente Rival Sons, o Greta Van Fleet simplesmente tem como influência grupos com uma pegada de blues-rock raiz. E nunca negaram isso!

Os três irmãos Josh, Jake e Samuel Kiszka (os dois primeiros são gêmeos) e o baterista Daniel Wagner chegaram a São Paulo como uma das atrações principais do Lollapalooza e arrastaram uma multidão de fãs ao festival. Eu fui conferir o show extra que eles fizeram no dia seguinte.

Continuar lendo

Nós: o que está por trás do espelho no filme do momento

Us-imagem1
Adelaide em Nós, de Jordan Peele

Não é fácil misturar terror, comédia e drama social em um filme como fez Jordan Peele em Nós. Mais difícil ainda é combinar tudo isso sem cair no ridículo. E não é que o diretor americano mais badalado do momento conseguiu. Nós dá frio na barriga, te faz pensar e garante algumas boas risadas. Depois de sair do cinema, a sensação é de que nesse turbilhão de informação a gente sai perdendo alguma coisa.

Nós é feito por um cara apaixonado por filmes de terror — isso é notável pelas referências a clássicos dos anos 1970 e 1980 como Tubarão e O Iluminado, assim como M. Night Shyamalan. Aliás, o talento precoce desses dos dois astros do terror foram comparados, no início de carreira, ao de Spielberg e Hitchcock.

+ O novo Halloween ecoa o clássico de 1978

Os dois se assemelham por reinventar o gênero bebendo na fonte dos clássicos e por ter um controle excepcional da história, da câmera, dos cortes, deixando o público na palma de suas mãos.

Há tempo não via uma plateia tão engajada — gritando, torcendo e se escondendo — com um filme no cinema. Tá certo que era uma sessão de domingo lotada de adolescentes histéricos, mas é um sinal claro do poder do filme.

Cena do filme Us
Cena do filme Nós

Mas, além do entretenimento que Jordan Peele proporciona em Nós e um desfecho surpreendente, vem junto uma reflexão intricada sobre segregação, abandono, hipocrisia e, sobretudo, o lado oculto dos americanos.

A história corre em dois períodos distintos. Primeiro, acompanhamos a pequena Adelaide Wilson se divertindo com a família em um parque de diversões à beira da praia, até ela se perder de todos e entrar em uma sala de espelhos, onde passa por uma experiência reveladora. Depois de um pulo no tempo, Adelaide (agora interpretada pela genial Lupita Nyong’o) é mãe de dois filhos e está a caminho de uma viagem para Santa Cruz, na Califórnia, onde vai curtir as férias.

+ Crítica do filme Hereditário

Esta é a base da história. Daqui pra frente, avanço na trama com alguns spoilers. Para quem já viu o filme, discuto mais adiante o que entendo sobre a metáfora proposta por Peele.

Continuar lendo