Elder e a metamorfose do rock

Elder-band-interview
O trio americano Elder: entre os melhores discos de 2017

Um dos álbuns de rock/metal mais originais e marcantes lançados neste ano, Reflections of a Floating World, do Elder, aponta para novos caminhos do gênero. O trio de Boston, que já havia despertado a atenção com o disco anterior, Lore (2015), mais uma vez surpreende ao experimentar novas fórmulas, mesmo quando mistura referências do passado, engrossando o caldo sonoro com rock progressivo, doom metal e muita densidade psicodélica. Nos faz voltar aos anos 1970, mas vai além disso.

+ O rock raiz do Greta Van Fleet

Quase todas as músicas de Reflections (são seis, no total) têm mais de 10 minutos. Isso quer dizer que não se preocupam em cumprir uma estrutura básica. É um voo livre, com letras enxutas — em geral, falam sobre um mundo decadente, de desilusão e falsidade –, riffs pesados, quebras de ritmo constantes e uma atmosfera mística, como se estivéssemos viajando por um mundo desconhecido. Sanctuary, a faixa de abertura, desenvolve-se como aventura épica, terminando com a mensagem: “We walk the land without a choice, screaming as though we have a voice” (em tradução livre, “caminhamos pela terra sem ter escolha, gritando como se tivéssemos uma voz”).

Continuar lendo